BETAR RIO DE JANEIRO - BRASIL
R. Sylvio da Rocha Pollis, 523 - Barra | Rio de Janeiro, RJ 22793-395 | Clube-AB

O Cumprimento Tel Chai


O que significa este cumprimento?

Quando dois betarim se cumprimentam com “Tel Chai”, eles sabem que são irmãos e que tem o mesmo ideal, que são membros de uma tnuá que se uniu na luz do heroismo de Tel Chai. Este cumprimento une, reúne e significa o espirito do Betar.

Quando se cumprimenta?

Quando um betari entra no maoz ou a uma das instituições do Betar e em sua saida.

No misdar, se cumprimenta o mefakez em dom (parados)

Em cartas formais das instituições do Betar.


O Simbolo do Betar


A. Menorá: é a menorá de 7 braços do Beit Hamikdash que foi roubada por Titus na época da destruição e representa nossa independência e nossa aspiração de renascimento. A menorá foi o simbolo dos Gdudim Ivriim e tambcm do Betar antes da fundação do Estado de Israel. Em 1948 foi eleita como o símboio do Estado, significando a renovação da independência.

B. O símbolo do Betar em Eretz Israel: cada sede do Betar em Israel tem seu símbolo. O símbolo do Betar Israel é uma muralha em memória da muralha de Jerusalém e atrás, o mapa de “shtei guedot layarden” - as duas margens do Jordào - do simbolo do Etzel. No meio, o símbolo do Betar (a menorá).


Missão


A missão do Betar parece ser muito simples, apesar de bem complexa, "Criar aquele tipo de judeu que o povo necessita para a reconstrução do Estado. Isto é, criar um jovem normal e são, consciente das necessidade de seu povo." Precisamente, esta é a grande dificuldade devido aos judeus estarem na diáspora, que nos impede na formação desse ideal.

Nos dois mil anos de diáspora, o povo judeu perdeu sua capacidade de ativar em conjunto, como uma unidade nacional, de defender-se nos momentos de perigo habituando-se mais a confusão, a desordem, desorganização do que á ação Por isso o Betar fíxou como missáo educar passo a passo a juventude, para que posteriormente possa ser o pilar do estado judeu


O Estado Judeu


O fundamento de nossa ideologia nos leva a uma só premissa. o Estado judeu. Mas desta premissa surge uma profunda concepção. Que sentido tem a coexistência de distintas nações? O “sentido” consiste em que cada nação contribua com sua parte, impregnado com seu espírito, a cultura geral da humamdade. Isto deve ir além de apenas idéias ou consehos às demais nações. Deve ser um exemplo vivo. As idéias e os ideais devem cristalizar na realidade, expressar-se, além dos livros, senão em formas coletivas da vida nacional. Mas para isto é necessário que cada povo possua seu “laboratório”, um território onde esse povo possa ser o “amo" e possa modelar livremente sua vida coletiva de acordo com sua concepção de bem e de mal. Um “laboratório” assim, é um Estado próprio.

Por muito tempo, entre muitos judeus existia a convicção que, o povo judeu tendo sua própria missão, ideais que ele deve transmitir á civilização humana, a melhor maneira de servtr a esta missáo, seria que nós permaneçamos dispersos entre todas as nações. Desta maneira, poderiamos incluir mais facilmente nossos ideais em outros povos e eles se encarregariam de adiciona-los em sua vida coletiva.